DEIXOU DE SER AQUELE QUE NUNCA FOI

Por: Eli Vieira Xavier

Coisa incrível e impossível de deslindar é o ser humano. Ora reclama disto, ora reclama daquilo.

Ora querem ser por que querem ser, ou porque acham que têm direito de ser, mas, não fazem por merecer.

De há muito venho dizendo que ser Despachante OEA nada mais era do que receber um “carimbo de qualidade”, mas, para receber tal chancela tinham que provar certas qualidades.

Grita geral! É um absurdo ter que se fazer um exame de qualificação! Meus anos de trabalho justificam minha pré-qualificação, e por aí vai.

É certo, como dantes escrevi, que as provas mais pareciam ser “expurgatórias” do que com consciência “classificatórias”, tal e qual aconteceu na última, onde o âmbito de aprovação foi zero.

Excessos houveram nas aplicações das provas? É claro. Mas houve excesso de quem queria porque queria? Houve! A isto demonstrar resta comprovado a enxurrada de mandados de Segurança.

Para que tanta exacerbação? Teríamos nós Despachantes OEA algum “plus”? Poderíamos nós cobrarmos mais por ostentar tal título? Teríamos nós um tratamento diferenciado? A tudo a resposta é NÃO!

Quando muito teríamos, como dito, uma propaganda a mais para vendermos nossos serviços.

Há pouco me perguntaram: E AGORA JOSÉ? Ao que eu respondo: Agora é ficarmos no patamarzinho a que nos relegou a Receita Federal: Vocês não são parte importante da cadeia, vocês são somente uns agentezinhos, que mesmo com “munus público”, são descartáveis e não nos preocupamos com vocês.

Talvez eu esteja enganado com o acima, ou quem sabe eles se encheram com tantos Mandados de Segurança, onde, alguns não digo todos, queriam, a qualquer preço, serem OEA, menos com o preço de terem que se debruçar horas à fio ao estudo das coisas que envolve a nossa área.

Complicada nossa área e nossa vida. Agora querem a interferência de Sindicatos e Associações, como se eles pudessem e detivessem o poder da caneta e infindável sutileza da persuasão. Não! Não creio que seja de todo assim, na vida há, e sempre existirá, a necessidade de avaliação, autoavaliação e de se provar que se é capaz disto ou daquilo.

Muito se brigou por quererem ser OEA, mas, pouco, ou muito pouco se fez, ou se faz, pela perpetuação da nossa área de atuação. De há muito venho apregoando que querem o nosso fim e, sinceramente, espero que quando este fim chegar, já esteja finda minha passagem por esta carreira que a vida toda vivi, respirei, suei e amei.

Pensem: Nem tudo que queremos podemos ser ou ter, mas, podemos escolher, e neste ponto lembro-lhes que o dia 07 está ai para se fazer uma escolha, e o façam com consciência, para depois não virem a dizer que a culpa é dos outros.

Eli Vieira Xavier, Despachante Aduaneiro Certificado OEA.
Diretor da Lenivam Serviços de Comércio Exterior Ltda.
Santos, 28 de setembro de 2018